Notícias

Trocar gasolina por GNV. Mas como fica o seguro do carro?

Nem toda seguradora cobre carro com o gás. Veja detalhes na reportagem

Da Redação
Veja se sua seguradora cobre o veículo com gás.

Veja se sua seguradora cobre o veículo com gás.

   Está cada vez mais caro abastecer o veículo, aliás nunca custou tanto. Neste ano, a gasolina já aumentou 31,09% e o diesel 28,02%, puxando com eles também o etanol, que foi sempre  a alternativa mais popular quando o preço do combustível aperta. 

Com isso, muitas pessoas estão adaptando seus carros para o GNV – o gás natural veicular. 

  OFICINAS - Algumas oficinas especializadas em conversão de motores para o gás natural chegam a estar com três semanas de fila de espera. A diferença em alguns estados, entre a média de preço do GNV e a média da gasolina, é de 60 a 86%. 

  “Acredito que a adoção do GNV deve se manter enquanto o preço de outros combustíveis seguir elevado e, além disso, o gás natural é melhor para o meio ambiente, algo que a população, principalmente a mais jovem, passa a considerar cada vez mais”, avalia Marcelo Moura, Diretor de Automóvel e Massificados da HDI Seguros. 

  As instalações de kit GNV somente no primeiro trimestre de 2021 cresceram 15% no Brasil e 11% no estado do Rio de Janeiro, por exemplo. O levantamento foi feito pela Firjan a pedido do Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Rio de Janeiro (Sindirepa). 

Já em Minas Gerais, houve um impressionante número de 500% de crescimento de conversões de veículos para gás nos quatro primeiros meses desse ano em relação ao mesmo período do ano passado, segundo o governo do estado. 

 

Nem toda seguradora cobre carro com GNV

   Ao optar por trocar a gasolina ou álcool, ou mesmo diesel, por GNV, é preciso atenção, pois nem todas as seguradoras cobrem carros movidos com gás natural. “Tem gente que converte o carro, mas esquece de alterar a apólice do seguro e isso pode gerar muitos problemas”, avisa Marcelo Moura, da HDI. 

  Algumas seguradoras oferecem a cobertura para veículos abastecidos com GNV, basta selecionar este adicional na hora da compra, ou entrar em contato com o corretor para alterar a apólice vigente. 

Vale lembrar que para aceitação, o kit gás precisa precisar estar regularizado com homologação no CRLV, CSV (Certificado de Segurança Veicular) e cilindro na validade. 

  “É muito importante estar segurado da maneira correta logo quando se faz a conversão. Imagina se alguém bate no veículo e danifica o kit gás, se a apólice não tiver a cobertura para GNV, esse prejuízo não poderá ser ressarcido”, esclarece Moura. “A mesma coisa ocorre em relação a roubo. Sem a proteção correta, o valor do kit não poderá ser indenizado”.  

  Vale lembrar que o seguro auto costuma cobrir sinistros como roubo e colisões, mas não falhas no kit gás, já que este item não vem de fábrica nos veículos.