Notícias

Deixar seu carro desprotegido, sem seguro, para economizar, é um risco

Veja dicas e orientações de especialista para você não ficar desprotegido

Da Redação
Posts assim você vê todos os dias em nossas redes sociais!

Posts assim você vê todos os dias em nossas redes sociais!

Em 2021, houve um período de retomada das atividades comerciais no Brasil e no mundo, de ajustes para a maioria dos setores da economia e também para o bolso do consumidor brasileiro, que acompanhou a inflação dos preços de produtos e serviços. 

Tanto o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) quanto o Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA), que medem a variação de preços da cadeia produtiva e a alteração do valor pago pelo consumidor final, respectivamente, registraram altas seguidas ao longo do ano. 

Essa elevação atingiu o segmento de automotivos com reajustes tanto dos modelos novos quanto dos usados, de carro, moto ou caminhão.

Houve queda na produção de veículos novos, ocasionada pela parada temporária da indústria durante o período mais crítico da pandemia de covid-19, e aumento na demanda por veículos seminovos, consequentemente. 

Especialistas do setor afirmam que, por enquanto, não há expectativa de que haja redução dos preços agora em 2022. A variação para cima do valor dos autos impacta diretamente o Imposto Sobre Propriedades de Veículos Automotores – IPVA, que ficará mais caro este ano, já que a base de cálculo do licenciamento é uma porcentagem que varia de 3 a 4% do preço médio do veículo praticado no mercado no final do exercício anterior ao da cobrança.

Nesse contexto, o melhor caminho é planejar-se para honrar os compromissos essenciais, como o pagamento do IPVA e a aquisição ou a renovação da apólice de seguro. "Deixar o veículo desprotegido com a intenção de evitar gastos, arriscando sofrer um sinistro, pode acabar trazendo prejuízos. Vale lembrar que garantir uma cobertura adequada às necessidades reais é a melhor forma de economizar sem abdicar da segurança e da proteção oferecidas pela apólice de seguro”, explica Denis Ferro, CEO da Santander Auto.

O conserto do próprio carro, do veículo de terceiros e a perda do automóvel por roubo ou furto são ocorrências que trazem enorme prejuízo, se não forem cobertas por seguro. Há ainda outros pontos de atenção na hora de se escolher a proteção para o veículo e a Santander Auto dá dicas importantes aos motoristas:

  • Faça um mapeamento das despesas essenciais do ano e liste as prioridades;
  • Faça uma avaliação do perfil do condutor antes de escolher o seguro: para que ele usará o veículo; quais os horários de uso; quais os possíveis riscos a que estará exposto. Isso evitará o exagero na aquisição da proteção, o que pode tornar o serviço mais caro;
  • Não elimine opções de cobertura somente para economizar, pois, em caso de acidente, o prejuízo poderá ser significativo;
  • Se residir em áreas com alagamentos constantes, leve esse fator em consideração na escolha do plano de seguro;
  • Atente ao contrato e verifique condições especiais na possibilidade de adquirir o seguro por mais de um período e proteger-se de variações de preços que ocorrem naturalmente a cada ano;
  • Considere a economia de tempo e escolha uma empresa que atenda suas necessidades com simplicidade, agilidade e segurança, desde o momento da aquisição da apólice até o suporte no pós-venda, para não ficar na mão quando precisar acionar um serviço;
  • Procure coberturas que ofereçam as melhores condições de pagamento, como a possibilidade de fazer o parcelamento do seguro na mesma quantidade de parcelas do financiamento do veículo, sem acréscimo;
  • Sempre verifique se há bônus disponível para ser utilizado;
  • Quando possível, procure sempre a orientação de um corretor de seguros.