Notícias

ANS suspende planos de saúde devido a reclamações de usuários

A medida faz parte do Monitoramento da Garantia de Atendimento, que acompanha regularmente o desempenho do setor

Da Redação

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgou dia 27 de junho a lista de planos de saúde que terão a venda temporariamente suspensa devido a reclamações relacionadas à cobertura assistencial. 

A medida faz parte do Monitoramento da Garantia de Atendimento, que acompanha regularmente o desempenho do setor e atua na proteção dos consumidores. 

Nesse ciclo, a ANS determinou a suspensão de 70 planos de 8 operadoras devido a reclamações efetuadas no 1º trimestre.

A proibição da venda começou a valer no dia 30/6. Ao todo, 1.453.044 beneficiários ficam protegidos com a medida, já que esses planos só poderão voltar a ser comercializados para novos clientes se as operadoras apresentarem melhora no resultado no monitoramento.

Além das suspensões, a ANS também divulga a lista de planos que poderão voltar a ser comercializados. Nesse ciclo, 4 planos de 3 operadoras terão a venda liberada pelo Monitoramento da Garantia de Atendimento.

Resultados do Monitoramento da Garantia de Atendimento (1º trimestre)

  • 70 planos com comercialização suspensa
  • 4 planos com a comercialização liberada
  • 1.453.044 beneficiários protegidos
  • 37.512 Total de reclamações analisadas no período de 01/01/2022 a 31/03/2022.

Consulte o resultado abaixo:

Planos com comercialização suspensa

Planos reativados

Planos que já estavam suspensos por outros motivos e que também foram suspensos pelo monitoramento da garantia de atendimento

Planos liberados pelo monitoramento da garantia de atendimento mas que continuam suspensos por outros motivos

 

ANS inclui novos procedimento no rol obrigatório

A ANS incluiu novos procedimentos no rol obrigatório para cobertura de planos de saúde. A resolução publicada na edição do dia 23 de junho do Diário Oficial da União, entra em vigor no dia 22 de outubro.

Passam a fazer parte da lista os três seguintes procedimentos: alfacerliponase para tratar lipofuscinose ceroide neuronal tipo 2 (CLN2); implante intracerebroventricular de bomba de infusão de fármacos; e aplicação de contraceptivo hormonal injetável.