Notícias

Seguro de vida, de modo geral, tem apresentado crescimento

Quem ainda não tem um seguro de vida, seja homem ou mulher, precisa refletir sobre este assunto, diz Renato Pedroso, CEO da Previsul.

Da Redação
O mercado tem registrado mais procura pelo seguro de vida.

O mercado tem registrado mais procura pelo seguro de vida.

O vice-presidente do Clube Vida em Grupo de São Paulo (CVG-SP), Marcos Kobayashi, disse recentemente, em uma live organizada pela entidade, que agora, no meio da pandemia, assistimos a uma discussão maior sobre seguro de vida. 

Ele disse ter aumentado o interesse das pessoas e os esclarecimentos sobre o assunto. “Gosto de lembrar sempre que desde o final de 2016 vemos essa conscientização para o seguro de vida. Desde esse período, a carteira de vida já ultrapassou a carteira de auto em arrecadação”, disse.

O também vice-presidente do CVG-SP, Alexandre Vicente, concorda que o crescimento da carteira de vida vem sendo observado há um tempo. “Esse é um trabalho de todo o mercado: seguradores e corretores que levam a sociedade informações sobre o produto de vida. Acho que a pandemia trouxe uma necessidade de prevenção. As pessoas estão vendo que podem ser acometidas de uma hora para outra. Isso começa a trazer uma maior conscientização e preocupação”, aponta.

Para o presidente do CVG-SP,  Silas Kasahaya, esse é o momento de incentivar o seguro de vida, o que, de maneira geral, as companhias já vinham fazendo. “Esse momento reforça tudo o que temos trabalhado nos últimos anos. Até um tempo atrás era difícil seguro de pessoas ter destaque, mesmo nos eventos do setor. Hoje, vemos que o seguro de pessoas tem vivido um momento positivo”.

O jornalista Paulo Alexandre, que fez a mediação do encontro, lembra que segundo pesquisa do Ibope e da Prudential, apenas 15% dos brasileiros têm seguro de vida.

Para Renato Pedroso (foto ao lado), CEO da Previsul, quem ainda não tem um seguro de vida, seja homem ou mulher, precisa refletir sobre este assunto. “Deve-se pensar como irão ficar os que hoje são dependentes da pessoa que um dia pode faltar. Infelizmente as pessoas só se dão conta quando algo ruim acontece”, observa.